[Resenha] A Diferença Invisível - Mademoiselle Caroline e Julie Dachez

A Diferença Invisível || HQ , Comics , Mangá || Julie Dachez e Mademoiselle Caroline || 192 || 2017 || Nemo 

Sinopse:
Marguerite tem 27 anos, e aparentemente nada a diferencia das outras pessoas. É bonita, vivaz e inteligente. Trabalha numa grande empresa e vive com o namorado. No entanto, ela é diferente. Marguerite se sente deslocada e luta todos os dias para manter as aparências. Seus movimentos são repetitivos e seu universo precisa ser um casulo. Ela se sente assolada pelos ruídos e pelo falatório incessante dos colegas. Cansada dessa situação, ela irá ao encontro de si mesma e descobrirá que é autista – tem a Síndrome de Asperger. Sua vida a partir daí se transformará profundamente.


J
 á faz mais de um ano que A diferença de ser invisível está na minha estante, logo quando lançou fiquei mega curiosa e acabei solicitando na antiga parceria, mas quando chegou descobri que era HQ e acabei ficando com o pé atrás e deixando de lado. Esse ano me abri a novas experiências e depois de muita insistência da Nana, acabei me rendendo as HQs, e já posso antecipar que foi muito gostoso, fazia tempo que não finalizava uma leitura em tão curto prazo.

Em A Diferença de ser Invisível vamos conhecer Margarite, uma jovem de 27 anos que possui uma postura um tanto retraída e compulsiva na vida. Apesar de morar com seu namorado e ter um trabalho agradável, Marguerite não consegue acompanhar e seguir os padrões que são impostos pela sociedade, e ao contrário da maioria das jovens, seu maior prazer é estar em casa com seus gatos e seus livros, ela detesta barulho, e alterar sua rotina pode promover grande estresse a moça.

E é buscando se enquadrar nos padrões, que a jovem busca ajuda psicológica, em busca de descobrir o porquê não consegue se encaixar no mundo, e assim ela descobre ser portadora da síndrome de Asperger. A partir desse momento as coisas se encaixam e Marguerite se torna outra pessoa.




O quadrinho é muito bem feito, a história é muito bem representada, e os quadros de cores utilizado pela cartonista passa exatamente os sentimentos proporcionados a protagonista. Logo no ínicio quando conhecemos Marguerite, seu mundo é preto no branco, nessas primeiras páginas acompanhamos sua rotina e seus incômodos com sons e atitudes de pessoas que insistem em se aproximar ou julgá-la. Logo após a sua descoberta seu mundo ganha cor.


Margarite se sente forte e destemida, normal e compreendida, o fato de encontrar pessoas que a entendam e passem pelos mesmos problemas, faz com que ela se sinta normal e desobrigada a se forçar a ser aquilo que ela não é, e essa é a parte mais bacana da história criada por Mademoiselle. A autora nos mostra o lado positivo de descobrir a doença e aprender a lidar com ela. Qualquer pessoa ao descobrir uma doença se sente injustiçada e fica triste. Mas não Margarite, o fato de saber que é diferente na sua essência a liberta de um mundo de opressão e obrigação. 

A autora nos apresenta essa síndrome de uma forma delicada e tocante, nos ensina a lidar e respeitar com o diferente, nos apresenta o preconceito e a forma mais fácil de agir com uma pessoa portadora da síndrome de Asperger. No final do livro, ainda existe um texto educativo que apresenta, exemplifica e ensina como reconhecer e lidar com um Asperger.

Com relação a HQ, minha primeira experiência foi incrível, a artista criou uma arte agradável aos olhos, de fácil compreensão, onde as cores representam a personagem, com textos bem visíveis e de fácil absorvição.

Uma leitura mais que indicada, não só pelo diferencial, mas pelo assunto abordado, uma história francesa que representa não só a autora, mas todo um mundo de pessoas que merecem muito mais respeito e compreensão. Livro lindo e querido.


3 comentários:

  1. Já li um livro onde o autor conta como descobrir que tinha a síndrome de Asperger mudou a vida dele pra melhor, parece ser o caso da personagem dessa HQ que conheci pela sua resenha e já quero muito ler.

    ResponderExcluir
  2. Oi Kelly.

    Eu não sou muito de ler HQ, pois tenho poucos livros desse gênero. Mas gostei muito da sua opinião sobre esse que ainda não conhecia. Vou anotar a dica, assim fico tendo a chance de ler mais HQs.

    Bjos
    http://historiasexistemparaseremcontadas.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Eu também tenho muito é atrás com HQ, normalmente por causa do traço do desenho e não pela história em si.

    Essa mesmo, achei muito interessante, gosto desses temas mais "diferentes" e inclusivos.
    Você já leu o livro Contato Visual? Também é bem interessante e aborda o autismo. Lembrei dela assim que comecei a ler sua resenha.


    https://thereviewbooks.com.br/
    #TheReviewBooks | @thereviewbooks

    ResponderExcluir

Seja bem vindo!
Muito obrigada pelo seu comentário, sua visita é muito importante para o Paraíso!!
Volte sempre

Tecnologia do Blogger.